almanaquistas contatos cadastro parceiros

AGENDA DE SHOWS

EM BREVE NOS CINEMAS

Elenco de Psi e Contardo Calligaris falam sobre a nova série da HBO


Por Tony Tramell

22/03/2014

PSI é a nova aposta do canal HBO com mais uma série nacional. Desta vez, a série nacional de 13 episódios é baseada em Carlo Antonini, um personagem oriundo de dois romances do psicanalista Contardo Calligaris: "O Conto do Amor" e "A Mulher de Vermelho e Branco". A série é como uma continuação da vida do personagem, não espere encontrar nenhuma trama vista na literatura. Os livros, publicados pela Cia. das Letras (onde atualmente existe um blog de Contardo falando sobre a série no site da editora), servem como uma vida pregressa da personagem.

A produção achou um ator a altura de personagem tão rico e cheio de nuances: Emilio de Mello. Antonini é um personagem fora do convencional e PSI aborda a vida fora do consultório, bem mais que dentro dele. O protagonista tem através da sua janela, numa cidade urbana como São Paulo, a sua biblioteca. Através do olhar das outras vidas, ela aguça sua percepção. Nos dois primeiros episódios que vão ao ar amanhã (23) na estreia da serie, Carlo Antonini se envolve amorosamente com Isa, uma malabarista de rua (uma personagem extremamente urbana), que tem uma filha diagnosticada com autismo e lida com Jana (Camila Leccioli), a nova namorada de seu enteado que tem a patologia de se mutilar, através do corte.

PSI tem um grande diferencial em relação à maioria das series nacionais, densidade dramática, que gera personagens complexos - como o público do gênero gosta e a HBO tem experiência em produzir. Basta citar como exemplo o detetive interpretado por Matthew McConaughey, em True Detective. "Não há nada na série que possa ser chamado de completamente inventado. Às vezes, são cruzamentos de personagens que encontrei ao longo dos meus quase 40 anos de clínica. Não se trata de clientes, mas de pessoas com quem vivi um pedaço da vida deles e acabam sendo minha história também" revela Contardo, que já clinicou na Europa, Estados Unidos e Brasil.

"Trabalhar esse personagem foi muito interessante. O cara é uma esponja, vai mudando de forma. Sua vida familiar é bem caótica e acaba se misturando com a vida profissional. Tentei fugir do clichê da figura do grande herói, do todo-poderoso. Ele é humano", conta o ator sobre o personagem. Sobre fazer terapia, "Na época das gravações, parei, porque não tinha tempo nem de ir ao banheiro", seu papel é absoluto em cena, aparece quase o tempo todo e demanda demais do ator. "Mas acho esse assunto interessantíssimo. Os livros que li e a troca de experiência com os outros atores me ajudaram muito", conclui

Em cada um dos 13 episódios da atração - todos procedurais, ou seja, cada um conta uma história separadamente - assuntos como autismo, mudança de sexo, mutilação e pedofilia irão surgir. Todos, em maior ou menor grau, inspirados na experiência de Calligaris, que assina o roteiro da produção, ao lado de Thiago Dottori. São Paulo também promete ter casos para várias temporadas. A região metropolitana possui a maior incidência de perturbações mentais no mundo, segundo estudo feito pela OMS (Organização Mundial de Saúde) que revela que 29,6% dos paulistanos sofrem de algum tipo de perturbação mental.

"Não é uma série sobre psicanálise, mas sobre pessoas que se relacionam, que às vezes têm um desajuste e acabam no consultório. Não fizemos um catálogo de patologias, mas da aventura que é conviver com singularidades que, no fundo, não são tão diferentes quanto parecem. Não é uma série sobre patologias, mas sobre o fato de que a normalidade é a patologia mais grave", declara Contardo Calligaris.PSI acompanha a vida diária de Carlos Antonini, um psicanalista interessado em casos pouco comuns, que o desafiam e muitas vezes o colocam em perigo. Carlo é recém separado de Flávia (Aida Leiner), mas mantém uma relação com os enteados Henrique (Igor Armucho) e Marina (Bianca Vedovato). O seu universo ainda conta com Valentina (Claudia Ohana), amiga e confidente de Carlo, que acaba de retornar ao Brasil após uma longa temporada na África, trabalhando com os Médicos Sem Fronteiras. A amizade entre os dois começou há anos, de forma pouco convencional, e Carlo tornou-se uma espécie de tutor para ela. É para Valentina que o psiquiatra expõe suas inquietações, discute casos e chega a possíveis conclusões. Outros personagens permeiam o cotidiano do protagonista, como Severino (Raul Barreto), um coveiro do Cemitério da Consolação, Roberto (Otavio Martins), um investigador da Polícia Civil (que também vai ter um episódio centrado na sua personagem) e Mark (Victor Mendes), o único filho biológico de Carlo, que nasceu na França e mora em Nova Iorque. Como tradicionalmente acontece nas séries de TV brasileiras, ótimos atores vindos do teatro participam dos episódios, seja como Emilio de Mello que interpreta o protagonista ou em participações nos episódios, como Gilda Nomacce que interpreta a mãe de Jana no segundo episódio ou Carolina Mânica, que será uma mulher mais velha que se envolve com o enteado de Carlo no meio da primeira temporada.


Emilio de Mello e Claudia Ohana no lançamento de Psi











Contardo Calligaris