almanaquistas contatos cadastro parceiros

AGENDA DE SHOWS

EM BREVE NOS CINEMAS

A ficção Defiance estreia e traz interação entre TV e videogame


Por Tony Tramell

15/04/2013

Defiance que estreia amanhã, apenas um dia depois da exibição nos EUA, no canal SyFy é como de se esperar uma produção de ficção científica, mas que tem quase a mesma influência de outro gênero consagrado: o faroeste. Essa mistura de ficção científica com faroeste não é novidade, basta lembrarmos "Firefly", criada por Joss Whedon quando este era apenas um nome conhecido por "Buffy, a caça-vampiros" e ainda não sonhava em ser diretor e roteirista de Os Vingadores. A série como outras que flertaram com os dois gêneros não vingou e Defiance tenta acrescentar algo novo a fórmula. Entretanto, a novidade fica restrita ao mundo virtual (na telinha não traz inovação), que consiste em transmídia, uma interação entre televisão e videogame, onde os fãs da série poderão jogar um game online que vai se desenvolver paralelamente à TV, com as mesmas revoluções, desastres naturais e ataques alienígenas.

Longe de ser uma obra-prima, Defiance consegue um resultado competente e prende o espectador com sua estrutura dramática de faroeste, onde a população (composta por humanos e alienígenas) tenta superar as dificuldades e se estabelecer. A trama se passa em 2046, após o cessar fogo de uma guerra que começou depois da chegada dos Votans, em 2013 e mudou completamente o planeta - tornando-o hostil para ambas as raças em guerra. Essa parte da trama, ainda é nebulosa nos detalhes. O episódio piloto explica pouco e a série e o game devem ir gradativamente ampliando o conhecimento desse universo.

Defiance é o nome do local que se encontra o que restou da cidade de St. Louis. Um lugar que serve como campo de refugiados e onde vivem humanos e alienígenas. Deixando a nova prefeita (Julie Benz, de "Dexter") diante do desafio de estabelecer uma integração e lidar com uma comunidade dominada por facções rivais. Uma liderada pelo mineiro  Rafe McCawley (Graham Greene) e a outra pelo "comerciante" Datak Tarr (Tony Curran), que tenta manter uma postura de figura importante, enquanto está envolvido com agiotagem e jogos. O filho de Datak e a filha de Rafe vão ser responsáveis por um Romeu e Julieta intergaláctico, com um misterioso assassinato no meio. Mia Kirshner ("The L Word") também está na série como a chefona de um bordel. Nesse cenário, o piloto da série marca a chegada de  Jeb Nolan (Grant Bowler), a Defiance, após fugirem de uma emboscada.  O ex-militar chega a cidade em busca de dinheiro, com sua filha adotiva , Irisa (Stephanie Leonidas), uma "irathient" (uma das sete raças dos Votans, a espécie alienígena que invadiu a Terra), e acabam se envolvendo na tentativa de impedir uma invasão a Defiance.

Sem grandes novidades dramáticas, Defiance apela para uma fórmula fácil e já bem sucedida em diversas produções. Tem muitas viradas previsíveis e clichês, mas a parte técnica que envolve fotografia e direção de arte compensa. O elenco tem alguns atores que dão uma derrapada em uma cena ou outra. Entretanto, o piloto estabeleceu várias tramas paralelas que ainda vão me deixar conferindo a série antes de um veredito final.

Defiance. Toda terça, às 20h no canal Syfy, a partir do dia 16 de abril (o episódio de estreia será exibido simultaneamente no Universal Channel).