almanaquistas contatos cadastro parceiros

AGENDA DE SHOWS

EM BREVE NOS CINEMAS

Viúvas


Por Jacqueline Farid

18/12/2012

Duas mulheres ficam viúvas ao mesmo tempo e, pior, do mesmo homem. A esposa descobre, no hospital, que foi traída e a amante do seu marido é confundida por todos com sua filha. A confusão está armada e o embate entre as duas mulheres define a trama de Viúvas, dirigido pelo argentino Marcos Carnevale. Um ótimo elenco e um roteiro bem amarrado garantem o interesse pelo filme.

Graciela Borges está extraordinária no papel de Elena, a esposa de Augusto, um improvável garanhão cheio de rugas e cabelos muito brancos. A amante, Adela (Valeria Bertuccelli, também muito bem no papel) pode seguramente entrar na lista dos personagens mais sem noção da história do cinema. Carente, maluca, solitária, invasiva, é de uma chatice construída com rigor e ambiguidade. É inevitável que, ainda que estejamos fartos dela, nos comova, assim como acontece com a própria Elena que, mesmo indignada com a rival, não consegue abandoná-la.

A inacreditável empregada Justina (Martín Bossi) e a engraçada melhor amiga Esther (Rita Cortese) completam um quadro de personagens muito bem lapidados. A trama se segura com humor e situações engenhosas. O fato é que Adela transforma a vida de Elena em um inferno. E sem más intenções, pois chega a levar flores para a rival, pela qual tem um respeito que, muito raramente, é obscurecido pela raiva.

Adela é uma infeliz que, por vezes, cai na gargalhada. Elena, por sua vez, é uma mulher forte, dedicada aos seus documentários, atraente mesmo na idade avançada, temperamental e bondosa. Passa o filme oscilando entre a surpresa, a tristeza e a raiva, mas tempera tudo com vitalidade e inteligência.

A amante revela aos poucos, para a esposa traída e a platéia, detalhes do caso com o falecido Augusto. Um dos pontos altos do roteiro é fazer da jovem Adela o alvo da nossa piedade, enquanto a idosa Elena conquista admiração. A figura de Augusto, que também vai se construindo na ausência, ao longo da trama, também é interessante, com sua bondade reconhecida apesar da rasteira que passa na esposa.

Como senão do roteiro, se destaca o fato de que o personagem de Adela, por vezes, é um tanto quanto improvável, assim como o professor que vai tentar seduzi-la. A busca noturna da esposa pela amante também fica um pouco sem sentido depois que ela é encontrada no lugar óbvio - não há como não nos perguntarmos por que não foi procurada ali antes.

Apesar desses pequenos desvios, o filme é marcado por ótimos momentos, bons personagens, uma direção segura e uma história forte, cativante. O final é meio ralo, mas não compromete a qualidade da obra como um todo. Viúvas é mais uma boa amostra do cinema argentino disponível para os brasileiros.