almanaquistas contatos cadastro parceiros

AGENDA DE SHOWS

EM BREVE NOS CINEMAS

Happy Happy


Por Fernanda Teixeira

15/10/2011

Happy Happy (Sykt Lykkelig, 2010) uma espcie de comdia dramtica envolvendo dois casais em crise que vivem em casas vizinhas numa regio afastada na Noruega. Para Kaja, a famlia o mais importante, mas seu marido Eirik parece ter perdido o interesse no casamento. Quando Elisabeth e Sigve se mudam para a casa ao lado, a aparente perfeio da vida dos dois colocar em cheque a relao de Kaja e Eirik. Os novos vizinhos so bonitos, cantam num coral, tem um filho adotado da Etipia e parecem ter o casamento perfeito. Mas rapidamente, vamos descobrir que toda essa felicidade no passa de fachada e rapidamente a narrativa de Happy Happy cuida de nos apresentar os meandros e a intimidade da vida de cada um desses casais com relacionamentos conturbados. Descobrimos assim que Sigve havia descoberto um caso que sua mulher tinha com outro homem e, ao decidir manter o casamento, eles resolvem se mudar para essa nova vizinhana, o que deixa sua esposa bastante descontente. J Kaja revela aos novos vizinhos que seu marido no faz sexo com ela h mais de um ano, e aos poucos percebemos os reais motivos do desinteresse dele pela esposa. A presena dos novatos ir ressaltar o fracasso do casamento de Kaja, abrindo espao para que ela se envolva com o marido de Elisabeth. O encontro entre os problemas desses dois casais ir transformar por completo a vida de todos os envolvidos.

A diretora Anne Sewitsky escolhe uma abordagem cmica para essa situao conturbada, conseguindo alguns pontos positivos em cenas com um falas cidas e demonstrando uma certa tendncia para o humor negro, principalmente nas cenas que envolvem os filhos dos dois casais. No entanto o lado dramtico da histria que acaba florescendo mais no filme, trazendo uma certa confuso de intenes no que diz respeito a uma abordagem mais aprofundada do tema e dos conflitos de relacionamento e a vontade de fazer uma verdadeira comdia para entreter o pblico. A dosagem entre essas duas intenes no feita, e Happy Happy acaba por no alcanar nem uma coisa nem outra.

Vale dizer ainda que talvez o humor noruegus no funcione tanto assim para outros pblicos, o que deixa algumas cenas que tem claramente a inteno de serem cmicas, meio sem graa. O ponto alto do filme acaba sendo a estranheza vinda da disfuno nesses relacionamentos, que deixa todos os personagens (ou talvez at os atores tambm) numa espcie de desconforto contnuo em cena, o que produz um efeito interessante, seja ele intencional ou no, trazendo leveza e fluidez a trama. Um recurso interessante utilizado o de entrecortar a narrativa por cenas de um coral cantando canes, que ora reforam a inteno de um determinado momento, ora tem o intuito de quebrar o clima modo a no deixar a histria pesada demais.

Por mais estranho que soe, os pontos positivos e negativos do filme so basicamente os mesmos, o problema parece estar realmente no conflito entre duas intenes na direo deste projeto, no acertando muito bem em nenhum dos pontos, mas ao mesmo tempo trazendo coisas interessantes em sentidos opostos. Happy Happy a escolha da Noruega para concorrer ao Oscar no prximo ano e uma verso norueguesa do cinema independente americano; no a toa a produo foi premiada com o prmio do jri no Festival de Sundance em 2011. No desagrada, mas passa longe de ser uma experincia memorvel.

Festival Internacional de Filmes de Palm Springs 2012

MOSTRA EXPECTATIVA 2011 - FESTIVAL DO RIO

Happy Happy (Sykt Lykkelig)

Noruega, 2010. 88 minutos.

Direo: Anne Sewitsky

Com: Agnes Kittelsen, Henrik Rafaelsen, Maibritt Saerens e Joachim Rafaelsen